21Nov2022

A guerra comercial entre os EUA e a China entra numa fase nova e intensa

As novas regulamentações norte-americanas sobre os microchips de última geração estão a elevar a tensão económica entre os dois gigantes mundiais.
 

A guerra comercial entre os EUA e a China entra numa fase nova e intensa

A guerra comercial entre as duas maiores economias mundiais entrou numa nova fase, com a imposição, em outubro, por parte dos Estados Unidos, de amplas medidas de controlo à exportação de tecnologias de vanguarda destinadas ao seu rival asiático. O objetivo da nova regulamentação é limitar a capacidade das empresas chinesas para obter ou desenvolver microchips avançados que impulsionem as inovações em Inteligência Artificial. As novas leis também proíbem pessoas e empresas norte-americanas de apoiar as empresas chinesas que se dediquem a estas áreas. Por sua parte, a China não parece disposta a aliviar a tensão. De acordo com o recente congresso do Partido Comunista Chinês, podemos inferir que o país profundará as suas políticas de aumento da autossuficiência tecnológica e de priorização da segurança nacional sobre o crescimento económico.

 

Assistimos a uma fase nova e mais intensa da guerra comercial. Os controlos sobre as exportações e as proibições aos cidadãos norte-americanos de apoiar as empresas chinesas, conduzirão, provavelmente, a um desacoplar das economias norte-americana e chinesa no âmbito da tecnologia de ponta, com impacto negativo no intercâmbio de conhecimento entre as duas superpotências”, explica o economista da Atradius Ásia, Bert Burger. Esta nova fase poderá levar as multinacionais ocidentais a reduzir os seus investimentos na China e a deslocalizar a produção de bens de alta tecnologia para mercados como a Malásia, Tailândia ou Vietname. 

 

Embora a nova normativa leve a que as principais empresas de design de chips percam um mercado-chave para as exportações, as repercussões no setor tecnológico norte-americano levarão tempo a manifestar-se. "A curto prazo, o impacto nas empresas de tecnologia de ponta norte-americanas será limitado, na medida em que haverá muitas isenções para os principais players", explica o diretor de Riscos da Atradius nos EUA, Jon Starck. A curto prazo, além das isenções, as empresas podem solicitar licenças que lhes permitam continuar a vender produtos proibidos à China. O Departamento de Comércio dos EUA insiste que a maioria dessas licenças não serão concedidas, mas esta postura poderá mudar se houver um abrandamento das tensões.

 

Os Estados Unidos preveem que, a longo prazo, a proibição seja pior para o setor chinês de alta tecnologia do que para o seu próprio setor. Na China, as novas normativas poderiam ter um impacto significativo. A curto prazo, os fabricantes chineses de chips são os que mais vão sofrer porque dependem de componentes norte-americanos. As novas normativas também vão impedir que, num futuro próximo, a China desenvolva a sua própria indústria de chips de nova geração. "A Administração chinesa investiu milhares de milhões de dólares na sua indústria de chips. No entanto, construir uma cadeia de fornecimento totalmente chinesa em microchips avançados pode ser quase impossível, num futuro próximo. Os próprios fabricantes de equipamentos chineses continuam a estar quatro e cinco anos atrás dos seus homólogos estrangeiros", explica o diretor de Riscos da Atradius na China, Chris Chen. 

 

Será difícil contornar as proibições já que os Estados Unidos vão aplicar as sanções de forma extraterritorial: os fabricantes de chips avançados de outros países devem cumprir os controlos ou perder o acesso aos componentes essenciais norte-americanos. Contudo, a normativa apenas se aplica aos chips mais avançados, que representam uma pequena percentagem do comércio global de microchips. Isto significa que o efeito inicial poderá ser limitado também na China. "O impacto real destas restrições dependerá de como se apliquem as políticas. Não entanto, a curto prazo, não esperamos um impacto comercial amplo junto das empresas privadas chinesas", refere Chris Chen. 

 

Além dos fabricantes norte-americanos e chineses, a normativa tem implicações importantes também noutros países. "É provável que os fabricantes de chips japoneses, da Coreia do Sul e de Taiwan reduzam gradualmente os seus vínculos com as empresas chinesas e que diversifiquem a produção, a médio e longo prazo, para evitar a incerteza geopolítica", explica o diretor da Atradius na Ásia, Albirich Tang. Os fabricantes asiáticos de semicondutores que lideram o mercado global têm um ano para cumprir as restrições, pelo que não irão atuar por antecipação, mas a previsão é que os fabricantes de chips de vanguarda na Ásia e na Europa não queiram cair nas restrições dos Estados Unidos e com isso arriscar perder o acesso às cadeias de fornecimento avançadas de que dependem os seus negócios. Por isso, a nova regulamentação representa uma intensificação da guerra comercial entre a China e os Estados Unidos.

 

Sobre a Crédito y Caución


Crédito y Caución é uma das marcas líderes em seguro de crédito interno e de exportação em Portugal, com uma quota de mercado de 22%. A Crédito y Caución contribui para o crescimento das empresas, protegendo-as dos riscos de incumprimento associados a vendas a crédito de bens e serviços. A marca Crédito y Caución também está presente em Espanha e no Brasil. No resto do mundo opera como Atradius. Somos um operador global de seguro de crédito presente em mais de 50 países. A nossa actividade consolida-se no Grupo Catalana Occidente.
 

Notícias de Análisis CyC

Crédito y Caución
Crédito y Caución @CyCPortugal
EMILIO ANTONIO CARRIZOSA

Agência exclusiva n.º 8142

Foto perfil agente

Acrescentar contacto à agenda

Esta página web usa cookies

Utilizamos cookies de terceiros para fins analíticos (produzindo estatísticas baseadas nos seus hábitos de navegação), personalização (para lembrar o idioma ou as configurações preferidas da web) e publicidade comportamental (para desenvolver perfis e oferecer publicidade adaptada às suas preferências de navegação).

Poderá configurar o uso desta tecnologia. Poderá também modificar ou retirar o seu consentimento a qualquer momento, clicando em "Declaração de Cookies"..

 

Marketing

Os cookies de marketing são utilizados para rastrear os visitantes dos sites. A intenção é exibir anúncios que sejam relevantes e atraentes para o utilizador individual e, por conseguinte, mais valiosos para os editores e anunciantes terceiros.

Necessárias

Os cookies necessários ajudam a tornar um site utilizável, ativando funções básicas como navegação na página e acesso a áreas seguras do site. O website não pode funcionar corretamente sem estes cookies.

Estadísticas

Os cookies estatísticos ajudam os proprietários dos sítios Web a compreender como os visitantes interagem com o sítio Web, recolhendo e fornecendo informações de forma anónima.

Preferências

Os cookies de preferências permitem que o site se lembre de informações que alteram a forma como o site se comporta ou é apresentado, tais como o seu idioma preferido ou a região em que se encontra.

Cookies de mapa

Os cookies de mapa permitem que a página salve informações sobre seleções no mapa